Imagens de tema por kelvinjay. Tecnologia do Blogger.

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA ACESSAR O SITE DO GOVERNO DO CEARÁ

Slider

Últimas Postagens

Notícias

Negócios

Política

Sociedade

Entretenimento

Cidades e Entrevistas

» » » » Hospitais do Brasil pressionados para limitar com o aumento do número de mortes no COVID-19

Hospitais nas principais cidades do Brasil estão atingindo sua capacidade máxima, alertaram as autoridades de saúde, já que o país registrou o maior número de mortes de COVID-19 na semana passada, provocando restrições mais rígidas na quinta-feira em seu estado mais populoso.

Foto: UOL Noticias

As unidades de terapia intensiva para tratamento de pacientes com COVID-19 atingiram níveis críticos de ocupação acima de 90% em 15 das 27 capitais, segundo o centro biomédico Fiocruz.

Em Porto Alegre, no sul do Brasil, o principal hospital de referência do COVID-19 deixou de admitir novos casos porque todos os leitos de UTI estavam ocupados. Um fotógrafo da Reuters viu pacientes em respiradores lotando os pronto-socorros.

“Este é um aviso. Atingimos a capacidade máxima e as pessoas precisam de saber como está a situação ”, disse Claudio Oliveira, diretor do Hospital da Conceição. Foi a primeira vez que o hospital recusou pacientes desde a epidemia de H1N1 em 2009.

Oliveira disse a jornalistas que o hospital fechou as portas para evitar o colapso do atendimento aos pacientes do COVID.

O Ministério da Saúde relatou na quarta-feira um recorde de 2.286 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas, enquanto as novas infecções aumentaram em 79.876.

Com mais de 270.000 mortes, o número de mortes pandêmicas do Brasil no ano passado fica atrás apenas dos Estados Unidos. Mas na semana passada, o Brasil teve uma média de mais de 1.600 mortes por dia, à frente de cerca de 1.400 nos Estados Unidos, onde o surto diminuiu.

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro protesta contra os bloqueios e exorta os brasileiros a deixarem suas casas, governadores e prefeitos lutam para fazer cumprir as restrições, muitas vezes implorando em vão para uma população acostumada com a crescente maré da epidemia.

O presidente de extrema direita atacou os governadores pelos bloqueios novamente na quinta-feira, incluindo a decisão do estado de São Paulo de proibir jogos de futebol. Ele disse que eles estavam aumentando a pobreza com um medicamento pior do que o vírus.

“Por quanto tempo podemos suportar essa irresponsabilidade de bloqueio? Você fecha tudo e destrói milhões de empregos. O lockdown não é uma cura ”, disse Bolsonaro em vídeo para um grupo empresarial com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ao seu lado.

As duas cidades mais populosas do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, na quinta-feira tomaram medidas para apertar as medidas enquanto seus hospitais lutavam com uma segunda onda do vírus, impulsionada por uma variante mais contagiosa que surgiu na região amazônica.

Enquanto a Europa e os Estados Unidos aumentam as vacinações e reduzem o número de casos, o governo federal do Brasil está começando devagar, com apenas 2% dos 210 milhões de brasileiros totalmente vacinados até agora.

Em Brasília, capital do país, que está sob o toque de recolher noturno, as UTIs dos hospitais públicos estão 97% cheias e as privadas, 99%, obrigando a cidade a voltar a instalar hospitais de campanha, como havia feito durante o pico de casos no ano passado.

Na quinta-feira, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou uma “nova etapa” de restrições para impor o distanciamento social, argumentando que agora é a única arma contra a disseminação do vírus.

Entre eles estão o toque de recolher das 20h às 5h, a suspensão dos serviços religiosos e de eventos esportivos, inclusive jogos de futebol, e a proibição do uso de praias e parques.

“Esta é uma decisão difícil e impopular. Nenhum governador quer deter as atividades econômicas em seu estado ”, disse Doria em entrevista coletiva.

O estado de São Paulo, onde vivem cerca de 44 milhões de pessoas, atualmente permite que apenas lojas essenciais, como supermercados e farmácias, recebam os consumidores.

O secretário de Saúde de São Paulo disse que os hospitais em mais da metade dos municípios do estado estão lotados e metade dos pacientes tem menos de 50 anos.

No ano passado, os casos mais graves concentraram-se em idosos brasileiros.

                     

        Por: Lisandra Paraguassu ,Diego Vara/Ruters

 

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário