Imagens de tema por kelvinjay. Tecnologia do Blogger.

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA ACESSAR O SITE DO GOVERNO DO CEARÁ

Slider

Últimas Postagens

Notícias

Negócios

Política

Sociedade

Entretenimento

Cidades e Entrevistas

» » » » Em 1ª entrevista após deixar BNDES, Joaquim Levy desabafa: "Não quis constranger Paulo Guedes"



Ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff falou pela primeira vez sobre sua passagem por dois governos com mentalidades e projetos completamente diferentes de Brasil.
Levy estava no comando do BNDES no governo Bolsonaro, de onde acaba de sair.
Em 2015, ele aceitou a missão de assumir o Ministério da Fazenda para promover um forte ajuste fiscal em plena crise financeira do governo Dilma Rousseff. Em 2019, por cinco meses, foi presidente do BNDES no governo Jair Bolsonaro, dessa vez com o objetivo de "abrir a caixa preta" do banco e reduzir o seu escopo de atividades.
Joaquim Levy, falou pela primeira vez sobre sua passagem por dois governos com mentalidades e projetos completamente diferentes de Brasil. Além de Dilma, com quem ficou 11 turbulentos meses e implementou medidas de aumento de tributos, corte de desonerações e redução de subsídios para empresas, foi também para o comando do BNDES no governo Bolsonaro, de onde acaba de sair.
Levy ficou cinco meses no comando do BNDES e deixou o cargo depois de o presidente da República declarar publicamente que ele estava "com a cabeça a prêmio" por manter entre os quadros do banco um diretor que tinha ocupado posição de destaque no governo Lula.
Atualmente, Levy transita por corredores bem diferentes daqueles por onde circulava em Brasília. Faz três meses que ele está desenvolvendo pesquisas sobre tecnologias sustentáveis na Universidade de Oxford, no Reino Unido.
Com Dilma, ficou conhecido como "o homem do ajuste", viveu atritos com membros do governo e do PT que eram contrários ao cortes de gastos. E não conseguiu aprovar grande parte de suas propostas num Congresso Nacional cada vez mais hostil ao governo Dilma.
Sob Bolsonaro, a empreitada não foi menos tortuosa, ainda que muito mais breve.
"Eu diria que o presidente tinha uma expectativa em relação à equipe do BNDES que eu não consegui satisfazer na sua plenitude e eu não quis criar uma situação constrangedora para o Paulo Guedes", disse Levy à BBC News Brasil.
Doutor pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, que é referência no pensamento ortodoxo e liberal na economia, Levy ainda fez parte do governo Lula entre 2003 e 2006, quando chefiou o Tesouro Nacional. Na ocasião, recebeu o apelido de "mãos de tesoura", por causa das amplas limitações a gastos e empréstimos que impôs naquele período.
Acostumado a transitar entre gregos e troianos, na entrevista à BBC News Brasil ele evitou fazer críticas aos "ex-chefes".
A respeito de economia, defendeu que o Brasil deve perseguir uma meta de crescimento de 3% no ano que vem. E afirmou que os erros do governo na divulgação da balança comercial no acumulado de novembro não devem ser encarados "com drama".
O valor das exportações no acumulado de novembro, que era de US$ 9,681 bilhões, foi corrigido para US$ 13,498 bilhões -- um erro de cálculo de quase R$ 4 bilhões. Com a revisão, a balança comercial brasileira saiu de um déficit de US$ 1,1 bilhão no período para um superávit de US$2,717 bilhões.
Diante desse erro, o jornal britânico Financial Times publicou uma reportagem que levanta questionamentos sobre a credibilidade dos dados oficiais da economia brasileira. A desconfiança do mercado em estatísticas de governos levaram a fortes quedas de investimentos externos em países como Argentina e Venezuela.
"Não consigo ver nenhum drama nessa história. Revisões estatísticas acontecem toda hora. Lógico que o melhor teria sido não ter tido nada. Por outro lado, acho que o governo fez o certo (em corrigir os números)", minimizou Levy.
Yahoo Finanças Foto: Eraldo Peres/AP

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário