Imagens de tema por kelvinjay. Tecnologia do Blogger.

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA ACESSAR O SITE DO GOVERNO DO CEARÁ

Slider

Últimas Postagens

Notícias

Negócios

Política

Sociedade

Entretenimento

Cidades e Entrevistas

» » » Loja de Flávio Bolsonaro, na Zona Oeste do Rio, é alvo de busca e apreensão



Uma loja do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), no Rio de Janeiro, foi alvo de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira (18) na investigação sobre movimentações financeiras suspeitas por parte de ex-assessores, como Fabrício Queiroz.
O Ministério Público do Rio cumpriu no total 24 mandados de buscas e apreensão.
O senador detém 50% da sociedade da loja que é uma franquia de chocolates. O estabelecimento fica em um shopping na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade. Neste caso, o foro privilegiado ao qual Flávio Bolsonaro tem direito não se aplica.
O advogado do senador Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, informou, por volta das 15h desta quarta-feira, que a nova ação do Ministério Público do Rio foi recebida por seu cliente com tranquilidade.
“Recebemos a informação sobre as novas diligências com surpresa, mas com total tranquilidade. Até o momento, a defesa não teve acesso a medida cautelar que autorizou as investigações e, apenas após ter acesso a esses documentos, será possível se manifestar. Confirmo que a empresa do meu cliente foi invadida, mas garanto que não irão encontrar nada que o comprometa. O que sabemos até o momento, pela imprensa, é que a operação pode ter extrapolado os limites da cautelar, alcançando pessoas e objetos que não estão ligados ao caso.”


Ação mira família da ex-mulher do presidente Bolsonaro

Na mesma operaçao, também são investigados parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido-RJ), que foram empregados no gabinete de Flávio.
Em nota, o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ) confirmou o cumprimento dos mandados para apurar supostas movimentações suspeitas envolvendo Fabrício Queiroz, mas, em razão do sigilo das investigações, informou que não pode oferecer mais detalhes.
As medidas fazem parte da investigação da suspeita de que havia a "rachadinha" -- um esquema de repartição de salários -- no gabinete do parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), onde ele foi deputado estadual por quatro mandatos.
G1 conseguiu falar com Ana Cristina às 7h57 desta quarta. Ela disse que não poderia falar no momento e pediu para que a reportagem ligasse mais tarde.
Guilherme dos Santos Hudson, tio de Ana Cristina, disse que não pode dar informações porque o processo está em segredo de Justiça. Questionado sobre ter sido assessor de Flávio Bolsonaro na Alerj, Guilherme disse que não teme a investigação, pois não deve nada a ninguém.
“Meu amigo, tá tudo escrito naquela reportagem. Então é aquilo que está sendo investigado. Pode ser investigado, não devo nada a ninguém. Não tem problema nenhum”, garantiu.
Em nota, a defesa de Fabrício Queiroz informou ter recebido a notícia da busca "com tranquilidade e ao mesmo tempo surpresa". "É absolutamente desnecessária, uma vez que ele sempre colaborou com as investigações, já tendo, inclusive, apresentado todos os esclarecimentos à respeito dos fatos", disse.
G1 ainda não falou com a defesa dos demais citados.
A força-tarefa obteve na Justiça, em maio, a quebra dos sigilos fiscal e bancário de 96 pessoas e empresas -- incluindo Queiroz e Flávio.
A investigação foi instaurada em 31 de julho do ano passado, meses depois que o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf, hoje Unidade de Inteligência Financeira) enviou um relatório ao MP com movimentação atípica de Queiroz num total de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.
O caso ficou parado de julho até novembro, aguardando decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade do compartilhamento dessas informações sem autorização judicial.
As medidas cautelares desta quarta atingem sobretudo ex-assessores que também tiveram quebrado pelo Tribunal de Justiça do Rio em abril. Ao todo, na ocasião, 96 pessoas e empresas foram alvo da decisão da 27ª Vara Criminal do Rio, Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau.
Durante os anos 2000, Fabrício trabalhou por mais de dez anos como segurança e motorista de Flávio Bolsonaro, o filho mais velho do presidente. Queiroz recebia da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) um salário de R$ 8.517 e acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar. Ele foi exonerado do gabinete de Flávio na Alerj em outubro de 2018.

Por Arthur Guimarães, Bom Dia Rio / G1

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe seu comentário